quinta-feira, 23 de maio de 2013

A "estranha" constelação de Orion





Orionte (mais conhecido apenas como Orion, na Astronomia) é considerado um destacado grupo de estrelas desde há muitos anos. Os caldeus chamavam-lhe Tammuz.
Diz a lenda que existiu na Grécia um valente caçador que se chamava Órion. Filho de Neptuno e da ninfa Euriale, era um gigante dotado de uma grande força e de uma incrível habilidade no manejo do arco. A humildade, porém, não fazia parte de seus atributos?
Certa feita, Órion gabou-se de que, se quisesse, seria capaz de exterminar todos os animais da Terra, o que certamente enfureceu a deusa Gaia. Ela, a protetora da Terra e de todos os seus habitantes, enviou um escorpião que pôs fim aos planos arrogantes do caçador.

Segundo outra lenda, Artemísia, deusa da Lua e da caça enamorou-se desse gigante e grande caçador, deixando de cumprir o seu trabalho, que era iluminar o céu noturno.
O seu irmão gémeo, Apolo, vendo que Orionte nadava para o mar, desafiou a sua irmã a disparar contra aquilo que não era mais do que um ponto entre as ondas. Sem saber que se tratava de Orionte, Artemísia disparou uma flecha e matou-o.


Mais tarde, quando o corpo de Orionte foi devolvido à costa, viu o que tinha feito. Desconsolada, colocou o seu corpo no céu, junto com os seus cães de caça. O seu remorso explica porque é que a Lua nos olha tão triste e friamente.
Há outras versões para a lenda de Órion, assim como há outras lendas, vindas de outras culturas - Os egípcios de outrora nos contam do deus Osíris, enganado, aprisionado e esquartejado por seu irmão Seth. Revivido pela esposa Ísis, Osíris fixou-se no céu, em forma de constelação.
Os sumérios enalteciam as façanhas de Gilgamesh, também chamado "O Esquecido". Também um gigante, Gilgamesh enfrentou bravamente o touro Gutanama, auxiliado por seu companheiro Enkidu. Resistiu ao assédio da deusa Ishtar e atravessou o mundo conhecido em busca de Utnapishtim, o único sobrevivente do Grande Dilúvio. Suas proezas são contadas na Epopéia de Gilgamesh, possivelmente o livro mais antigo do mundo.
Na Escandinávia, o gigante chamava-se Ymir, e era feito de gelo. À medida que derretia, o lento gotejar ia formando as coisas do mundo. Os chineses lembravam os feitos de Tsan, o supremo comandante, enquanto no Brasil pré-colonizado, existia a figura de Zilikawai, o grande homem.
Mas o que todos esses personagens tem em comum ? Órion, Osíris, Gilgamesh, Ymir, Tsan e Zilikawai estão todos presentes no céu, representados pela mesma constelação, não por acaso chamada Órion. 



3 comentários:

Adriana Borges disse...

1936 um bom começo para a humanidade e a verdade escondida aos olhos do mundo parabens pela reportagem

Gustavo GDG-l disse...

www.youtube.com/watch?v=uJrDp9ntj6M

Gustavo GDG-l disse...

www.youtube.com/watch?v=uJrDp9ntj6M

Postar um comentário

Ezeki Nunes. Tecnologia do Blogger.

Mapa de Visitantes